Coleções

Doenças de peras e seu tratamento. Controle de pragas

Doenças de peras e seu tratamento. Controle de pragas


Todo jardineiro sabe que, para uma árvore frutífera dar colheitas generosas, ela deve ser saudável. E a pêra não é exceção. Leia este artigo e descubra quais pragas e doenças da pêra são mais perigosas e como lidar com elas. Essas informações o ajudarão a determinar a tempo que a árvore começou a doer e você poderá ajudá-lo em tempo hábil.

Doenças

Várias doenças começam a se manifestar na primavera - as delicadas folhas verdes ficam amarelas, florescem e secam. O que fazer e qual o motivo? Essas manifestações desagradáveis ​​são os primeiros sinais de que a pêra começou a doer. Considere as infecções mais comuns e perigosas, seus sinais e métodos para lidar com os patógenos.

Câncer negro

Esta doença também é chamada de "fogo Antonov". Afeta a casca, os ramos esqueléticos, a folhagem e os frutos. Primeiro, pequenas feridas aparecem nas áreas afetadas na forma de manchas, que progridem de tamanho com o tempo. Manchas marrons brilhantes aparecem ao longo do diâmetro dessas feridas. Se notar manchas vermelhas nas folhas ou frutos, estes também são sinais inegáveis ​​da infecção. O câncer negro contribui para o aparecimento de podridão negra nos frutos: eles diminuem de tamanho e gradualmente mumificam.

Para que essa infecção não atinja todas as suas árvores frutíferas, é necessário adotar medidas preventivas: na queda, quando as folhas começam a cair, devem ser colhidas e queimadas. As áreas da casca afetadas pelo câncer preto devem ser removidas com uma faca afiada, capturando pelo menos 2 cm de madeira saudável durante a poda. As feridas resultantes são desinfetadas com uma solução de sulfato de cobre ou é preparada uma mistura especial de verbasco e argila, que é utilizada para cobrir todos os locais dos cortes.

Podridão de fruta

Se os frutos começaram a apodrecer, saiba que isso é facilitado por uma doença fúngica - a maniliose. A infecção atinge a massa na segunda metade do verão. Primeiro, pequenas manchas marrons aparecem na fruta. Com o tempo, essas manchas crescem e cobrem toda a área da fruta. Para esta doença da pêra, é característico que os frutos afetados não se desintegrem, mas permaneçam nos caules e contribuam para a propagação da infecção. Pacientes com maniliose, as frutas ficam inutilizáveis.

Para impedir a propagação da doença, é necessário recolher e destruir todos os frutos infectados, e é necessário retirar tanto dos ramos como recolher os que já caíram do solo. Em seguida, recomenda-se pulverizar com líquido Bordeaux ou cloreto de cobre (no outono e na primavera).

Sarna

Esta enfermidade é considerada a mais perigosa e insidiosa, pois atinge as folhas, frutos, brotos e flores da árvore frutífera. Se a planta começar a doer com a crosta, então, sem assistência oportuna, na maioria dos casos ela morre. O desenvolvimento da crosta é facilitado por chuvas longas e fortes e clima frio.: formam-se inicialmente pequenas manchas na folhagem, que vão crescendo gradualmente e tornando-se grandes (de 2 a 4 mm a 2 a 3 cm). Caso sejam plantadas pereiras muito próximas umas das outras, isso não contribui para a aeração e também será uma condição favorável para o desenvolvimento de sarna.

Se o estrago na folhagem for grande, certamente afetará a colheita: os frutos serão pequenos e em pequena quantidade. A crosta também pode afetar a própria fruta - elas são cobertas por muitas pequenas manchas escuras, que se fundem com o tempo em uma grande mancha aveludada. A fruta fica dura, quebradiça e inutilizável. As medidas de prevenção e controle da doença resumem-se ao fato de que no período do outono é necessário coletar as folhas caídas e, com a chegada da primavera, deve-se fazer a pulverização com líquido bordalês e solução de ureia a 7%, e no terreno ao redor da árvore também deve ser cultivada.

Citosporose

Esta infecção afeta a casca e tem um segundo nome - podridão do caule. As plantas enfraquecidas, independentemente da idade, sofrem de infecção. O aparecimento é facilitado por queimaduras de sol e geada, bem como secas e distúrbios nas práticas agrícolas. No curso da doença, a casca muda sua cor usual para vermelho escuro e seca gradualmente. As peras velhas costumam sofrer dessa doença. Se a doença está apenas começando e o fungo ainda não danificou o câmbio, remova as áreas afetadas com uma faca afiada e trate-as com uma solução de sulfato de cobre ou verniz de jardim. Mas seria melhor não tratar, e sim prevenir essa doença. Para isso, é necessário caiar os troncos na queda, evitar danos à casca e retirar todos os galhos mortos em tempo hábil.

Ferrugem

O agente causador desta doença da pera é um fungo microscópico patogênico. Ele infecta a folhagem coberta por manchas laranja brilhantes e pode cair prematuramente. Além disso, a doença enfraquece significativamente a planta, reduzindo sua imunidade. Para combater esta doença, é necessário eliminar os zimbros que crescem no seu jardim, pois são transmissores da doença. Folhas e frutos afetados devem ser eliminados. A pulverização oportuna deve ser realizada (na primavera - antes da estação de crescimento e no outono - após a queda das folhas), tanto biológica quanto química (enxofre, líquido bordalês).

Oídio

Ao descrever doenças da pera, não se deve esquecer uma infecção fúngica como o oídio. Principalmente as folhas dos rebentos jovens sofrem desta doença, as inflorescências e os frutos são menos afectados. As folhas afetadas param de crescer e se desenvolver, dobram-se gradualmente e a maioria delas cai. Os rebentos que sofreram com esta infecção retardam o seu desenvolvimento, deformam-se e frequentemente secam. Nas inflorescências, a infecção se manifesta na forma de uma flor branca. As flores afetadas pelo oídio caem e as que permanecem não dão ovários. Até 80% de toda a cultura pode ser afetada por esta doença fúngica.

O clima quente, combinado com baixa umidade, acelera muito a disseminação do fungo. Os métodos de combate ao oídio incluem irrigação regular, corte oportuno e eliminação de brotos doentes no outono ou início da primavera, bem como o uso de produtos químicos (solução de enxofre coloidal e outros).

Brilho leitoso

Esta doença afeta plantas jovens e velhas. As causas da doença da pêra são os cuidados inadequados, bem como as condições climáticas como o ar seco, a luz solar direta e a forte oscilação da temperatura ambiente ao longo do dia, que contribuem para o desenvolvimento de uma forma não parasitária da doença. As folhas afetadas tornam-se leitosas, ligeiramente peroladas. Vários ramos individuais ou a planta inteira podem ser afetados.

Também existe uma forma parasitária de infecção, seu agente causador é um fungo destruidor de madeira. Com essa forma de infecção, a folhagem não muda de formato. Só a sua cor sofre: adquire uma tonalidade metálica, as próprias folhas tornam-se frágeis e caem mais cedo. Para evitar o desenvolvimento do brilho leitoso, é necessário cuidar adequada e regularmente da árvore, para levar a cabo as medidas agrotécnicas em tempo hábil. Se você seguir todas as regras, os sintomas da doença da pêra passarão e ela se recuperará totalmente.

Vídeo "Processando pêras de doenças"

Este vídeo mostrará como lidar com variedades de pêras de pragas.

Pragas e controle de pera

Agora vamos dar uma olhada nas principais pragas que podem prejudicar as peras.

Pulgão verde

Esse inseto parasita a planta, sugando toda a seiva celular das folhas, o que leva ao desenvolvimento inadequado dos brotos e interrompe o seu crescimento. Os pulgões verdes são capazes de produzir secreções adocicadas, que contribuem para o desenvolvimento de um parasita prejudicial como o fungo preto.

Para combater pulgões, as plantas são pulverizadas com preparações especiais. O procedimento deve ser realizado três vezes. A primeira pulverização é realizada antes do florescimento dos botões das folhas. Para fazer isso, use a droga "Kinmix". O segundo - antes de botões de floração, usando a droga "Agravertin". E o terceiro - quando aparecem ovários jovens, a planta é tratada com o agente biológico Iskra.

Os remédios populares também são usados ​​para borrifar: uma decocção de camomila, dente-de-leão e alho. Uma solução de sabão em pó comum é muito eficaz contra pulgões verdes.

Mariposa pera

As borboletas colocam seus ovos na pêra. Depois de um tempo, as lagartas aparecem deles. São eles que infectam a polpa. As variedades de peras de verão são as mais afetadas, pois, ao contrário das de inverno, o tecido da fruta é muito macio e facilmente danificado por lagartas.

Para prevenção e controle, o medicamento "Agravertin" é usado antes e depois da floração. No 20º dia após a floração, use o medicamento "Kinmix". Um mês após a floração, procede-se ao tratamento final com Iskra.

Além disso, não se esqueça da colheita da folhagem no outono, seguida da sua queima.

Honeydew pera ou besouro da folha

Esses parasitas causam danos consideráveis ​​à árvore: sugam toda a seiva celular, produzem substâncias que são um ambiente favorável para o fungo fuliginoso. Devido à falta de seiva celular, os botões jovens, botões e folhagens começam a murchar e cair. Os frutos ficam deformados, o sabor se perde e os indicadores de produção sofrem. Para combater esta praga, é necessário polvilhar com Karbofos no início da primavera, antes da floração. Após a floração, procede-se à nova pulverização, utilizando o medicamento "Iskra" ou "Agravertin".

Para combater as larvas dessas pragas, os remédios populares também são usados ​​ativamente: eles usam decocções de mil-folhas, pó de tabaco, dente-de-leão ou camomila de farmácia.

Ácaro da pêra

Esses parasitas hibernam na casca morta e também podem estar localizados sob as escamas de botões jovens. Com a chegada da primavera, o ácaro pera se desloca para o interior das folhas e suga o suco delas, resultando no aparecimento de um inchaço nas folhas afetadas. A atividade do ácaro da pera pode contribuir para a interrupção do desenvolvimento normal da árvore: os brotos se deformam, a folhagem cai prematuramente. Para combater essa praga, pulverizar com uma solução de enxofre coloidal é eficaz.

Rolo de folhas

Esta é uma pequena lagarta móvel. Apenas a folhagem é afetada: devido às ações da lagarta, elas se enrolam em um tubo e diminuem de tamanho. Para evitar o aparecimento desta praga no jardim, antes mesmo de os rebentos florescerem, as árvores são tratadas com o preparado "Cymbush".

Neste artigo, você aprendeu quais doenças e pragas da pera são mais perigosas para esta planta. Aconselhamos a realização regular de exames preventivos de folhas, cascas e frutos de uma árvore frutífera. Se você encontrar, mesmo que pequenas alterações, é melhor realizar imediatamente as medidas terapêuticas necessárias. Lembre-se de que as doenças se desenvolvem muito rapidamente e que pequenas pragas são capazes de causar danos irreparáveis ​​à árvore frutífera em um curto período de tempo. Não se esqueça da pulverização preventiva também. Na verdade, graças a eles, o desenvolvimento da maioria das doenças pode ser evitado.


Como lidar com doenças e pragas da pera

As peras, como todas as árvores frutíferas, não são imunes a doenças e pragas. Devido aos danos causados ​​por fungos, bactérias, vírus e insetos parasitas, a árvore enfraquece, perde a produção e até morre. A derrota pode afetar qualquer parte da árvore - folhas, tronco, galhos, frutos. A proteção de árvores e plantações é reduzida a um conjunto de medidas, incluindo prevenção, diagnóstico e tratamento.


Fungi

As doenças fúngicas costumam afetar a casca e o fruto da pêra. Uma vez identificada a doença, o jardineiro deve começar imediatamente a tratar e prevenir a planta e suas “vizinhas” para evitar a propagação da infecção.

Fungo fuliginoso

Doença fetal, manifestada por uma flor negra nas folhas, o que faz parecer que têm fuligem. A doença se espalha para a secreção da seiva de cobre da pêra. A causa da doença é um fungo, que geralmente aparece após o início da floração ou durante o amadurecimento do fruto. As peras afetadas por esta doença tornam-se pouco atraentes e intragáveis. A permanência prolongada do fungo na árvore causa o lento desenvolvimento dos brotos, diminuição da produção e morte das folhas.

Para prevenção, regue a planta com mais freqüência, aplique fertilizantes minerais periodicamente e trate as árvores contra parasitas. Para o tratamento, é necessário destruir a melada de pêra: pulverizar a planta com Bordeaux líquido 1%, solução de sulfato de cobre 1% ou oxicloreto de cobre.

Sarna

Doença fetal, provocada pelo fungo Venturia pirina. O fungo se espalha devido à alta umidade e ao vento fraco que sopra no local. A doença geralmente afeta plantas fracas. A crosta pode infectar a planta durante o período de floração. Manchas castanhas arredondadas são formadas nos frutos. Eles podem se aglutinar nas frutas e formar uma grande necrose, semelhante a verrugas. A casca da fruta começa a rachar.

Para prevenção, siga estas recomendações:

  1. Plante em áreas com muito vento.
  2. Monitore o estado das árvores, aplique fertilizantes minerais.
  3. Coloque apoios por baixo dos ramos para que não se partam com o peso.
  4. Afine a coroa periodicamente e corte os ramos em excesso.
  5. Remova frutas caídas imediatamente durante o período de frutificação.

Para combater a doença, trate as árvores com preparações de cobre no início da primavera, antes do surgimento dos botões. Use essas drogas: Abiga-Peak, Bordeaux líquido, Skor, Raek, Horus.

Podridão de fruta

O agente causador da doença é o fungo Monilla fructigena Pers ex Fr, que se espalha com o vento nas asas dos insetos. Frutas danificadas são mais suscetíveis a doenças. O apodrecimento dos frutos ocorre, eles formam crescimentos redondos contendo esporos de fungos. Muitas vezes aparecem manchas marrons - podem cobrir completamente a fruta inteira. A polpa se solta, o sabor se deteriora.

Para a profilaxia, aplique fertilizantes minerais periodicamente, colete os frutos caídos e os que estão doentes, mas se penduram em uma árvore. Trate as árvores das pragas, desbaste a copa e remova os galhos secos.

Para o tratamento, trate as árvores com preparações que contenham cobre: ​​Bordeaux líquido, Abiga-Peak, Horus. No início e no final da safra, tratar as plantas com cal em pó na proporção de 1 kg de cal para cada 10 litros de água.

Citosporose

Doença do caule resultante da infecção pelo fungo Cytospora leucostoma. Lesões marrom-avermelhadas aparecem no tronco, devendo, com o tempo, a casca começa a secar. Isso leva ao fato de que a árvore gradualmente seca e morre.

Para prevenção, podar ramos regularmente, destruir as pragas a tempo, recolher as folhas caídas e queimá-las. O combate à citosporose não é fácil. Para começar, corte a parte afetada da casca, lubrifique o corte com sulfato de cobre e depois argila.

Câncer negro

A manifestação desta doença-tronco pode ser retardada por vários anos. No processo, a casca do tronco e os ramos do esqueleto são danificados - rachaduras se formam neles, aumentando rapidamente de tamanho, a casca se quebra gradualmente. Existem manchas marrons ao longo das bordas das rachaduras. A causa da doença é a infecção pelo fungo Shaeropsis malorum. O câncer negro se espalha com mais frequência no verão.

Para prevenção, recomenda-se aplicar fertilizantes minerais com mais frequência, manter o jardim limpo, desbastar a copa da árvore, livrar-se dos galhos secos e das folhas caídas. O combate à doença é simples: corte a casca com faca afiada, capturando a parte sadia. Após o corte, trate a ferida com sulfato de cobre e cubra com argila misturada com verbasco.

Oídio

Doença das folhas devido a infecção fúngica. Os esporos se espalham rapidamente, especialmente em climas úmidos. Mais frequentemente carregada por rajadas de vento, água, ferramentas de jardim, pragas. Uma flor branca se forma nas folhas, elas começam a murchar e cair. Como resultado, a planta inteira morre se você não começar a lutar contra a doença a tempo.

Para prevenção, siga as recomendações:

  1. Não plante árvores próximas umas das outras.
  2. Lute contra as pragas a tempo.
  3. Regue a planta e aplique fertilizantes minerais.
  4. Remova as folhas caídas a tempo.

Para o tratamento, use o medicamento Topaz, dissolvendo 2 ml em 10 litros de água. Trate a folhagem com uma solução em tempo seco e calmo. Processe a pêra duas vezes: antes e depois da floração.

Galhos encolhendo

Esta doença se manifesta no meio do verão. Nos ramos afetados, a folhagem começa a enrolar, a sombra torna-se opaca. No final do período de verão, parte das folhas da árvore seca completamente. Nos ramos secos, as folhas adquirem uma tonalidade vermelha, cobertas com espinhas de esporos.

O combate à doença é simples: corte as partes infectadas da árvore, trate os cortes com preparações que contenham cobre.

Mancha branca (septoria)

Doença fúngica da folha que causa manchas na lâmina foliar. Nos estágios iniciais da doença, formam-se manchas brancas ou amarelas, mas com o tempo escurecem, adquirindo tonalidade marrom. Os primeiros sinais costumam aparecer no final da primavera. Se você não lutar contra a doença, a folhagem começará a cair, o que pode causar o enfraquecimento das plantas e uma diminuição acentuada da resistência ao frio.

Para prevenção, certifique-se de coletar as folhas caídas e queimá-las. Para o tratamento, faça a pulverização no início da primavera com uma solução de nitrafen (dilua 3 g do medicamento em 10 litros de água). Você também pode usar Bordeaux 1% líquido. Pulverize duas vezes por estação: no início da abertura dos botões, após a floração, após a floração.

Filostictose

Doença das folhas que se manifesta na segunda metade do verão. O agente causador da doença são os esporos de fungos. Nas folhas aparecem pequenas manchas, depois de algum tempo são recobertas por picnídios pretos com esporulação do fungo. A alta umidade contribui para o desenvolvimento da doença. Isso faz com que a folhagem caia prematuramente, fazendo com que a árvore não receba nutrição adequada.

Jardineiros experientes recomendam polvilhar a pêra com uma solução de 1% de Bordeaux líquido. O procedimento é realizado antes do nascimento do botão.

Câncer europeu

Doença do caule causada por um fungo. A doença atinge os troncos e ramos, neles aparecem espessamentos anormais, formam-se fendas, por vezes atingindo o miolo da árvore. Nas áreas afetadas, a casca começa a escurecer e depois a rachar. Esses sintomas levam à ulceração.

Como medida preventiva, aplique fertilizantes minerais com mais frequência, mantenha a área limpa, desbaste a copa da planta, remova galhos secos e folhas caídas. Trate os cânceres europeus da seguinte maneira: Corte a casca para capturar cerca de 20 cm da parte saudável. Trate a ferida com sulfato de cobre.


Doenças comuns, métodos de tratamento e prevenção

Entre as doenças culturais mais comuns estão vários tipos de podridões de origem fúngica e bacteriana. Como todas as solanáceas, a petúnia freqüentemente sofre de requeima e o oídio “onívoro” também é um sério perigo para ela.

Podridão branca

O agente causador da doença é o fungo fitófago Sclerotinia sclerotiorum, que causa a decomposição das plantas. Os sintomas aparecem como murcha da parte superior dos brotos com formação de uma camada branca nos caules e folhas.

Nos tecidos afetados pela podridão branca, formam-se manchas marrons lacrimejantes, que são gradualmente cobertas por uma flor branca com manchas pretas

As partes acima do solo da planta tornam-se pálidas e as partes subterrâneas são cobertas por uma massa semelhante a muco. Os tecidos afetados amolecem, iluminam e morrem. Nesse caso, as áreas ressecadas se transformam em migalhas, que caem sobre "vizinhos" saudáveis. O desenvolvimento da doença é facilitado por fatores como clima úmido e frio, irrigação excessiva, iluminação deficiente, além de espessamento das plantações e aumento da acidez do solo.

Para medidas preventivas de combate à podridão branca incluem conformidade com as condições ideais de cultivo, escavação profunda do solo, calagem de solo ácido, cobertura foliar com ureia. Os especialistas recomendam que, quando aparecerem os primeiros sinais da doença, borrife as amostras afetadas com enxofre coloidal ou agentes contendo cobre (líquido Bordeaux, sulfato de cobre) e trate as plantas saudáveis ​​com soluções das preparações Maxim ou Integral.

Perna negra

"Perna preta" é o nome geral de uma série de doenças que apresentam alguns sintomas semelhantes. Existem dois tipos de microrganismos fitopatogênicos que podem causar esses danos: bactérias e fungos.

Na foto - doença da petúnia - uma espécie de "perna preta", popularmente chamada de "korneed"

Na fase de emergência, os rebentos jovens podem ser infectados com bolores saprofíticos inferiores dos géneros Olpidium, Phoma, Phytium ou Rhizoctonia, que colonizam abundantemente as camadas superficiais do solo e se alimentam de detritos orgânicos em condições normais. Em áreas protegidas (estufas, estufas), onde esses cogumelos simplesmente não têm comida suficiente, eles são forçados a atacar os tecidos vivos das plantas. Neste caso, a parte do caule nem sempre fica preta, mas com mais freqüência torna-se verde escuro ou cinza. Se você arrancar a planta do solo, poderá descobrir que ela praticamente não tem mais raízes, portanto, essa doença é coloquialmente chamada de "verme da raiz". A doença é lenta e a área afetada é pequena.

Comporte-se significativamente mais agressivo e perigoso cogumelos do gênero Fuzariumparasitando plantas vivas, suas suculentas partes aéreas. A doença causada por esses fungos é chamada de "perna preta clássica", murcha de fusarium (em espécimes adultos quando fluindo em uma forma latente) e entre as pessoas - "ceifa" para o ataque rápido e disseminação instantânea, levando à morte em massa de plantas . No ponto de penetração, o cogumelo libera uma dose de choque de toxinas, de modo que o caule imediatamente começa a ficar preto e enrolar. O processo dura de várias horas a 2-3 dias, a lesão do surto cobre rapidamente todas as partes da planta e cai, muitas vezes até com folhas que não tiveram tempo de murchar.

Fungos parasitas predadores do gênero Fuzarium são a causa da clássica "perna preta" de muitas plantas ornamentais e hortícolas

Quando infecção bacteriana de plantas por representantes do gênero Erwinia (Ervinia)parasitando tecidos vivos, uma das bactérias - E. atroseptica - causa podridão mole com odor desagradável muito característico, e a outra - E. carotovora - podridão de tubérculo e pata preta com sintomas característicos de "tinta preta".

Ao contrário dos fungos, as bactérias demoram mais para desenvolver uma colônia, então os sintomas de infecção que ocorrem inicialmente tornam-se perceptíveis apenas em uma planta adulta.

Você pode aprender mais sobre as mudas de "perna preta" com um especialista no seguinte vídeo:

A principal fonte de infecções fúngicas e bacterianas é a camada superior do solo fértil infectada com microorganismos patogênicos. O desenvolvimento da doença é facilitado pelo espessamento das lavouras, plantio profundo das plantas durante a colheita, além do encharcamento do substrato e ausência de medidas de desoxidação do solo.

Floristas experientes prevenir aconselha-se introduzir a preparação "Trichodermin" nos orifícios preparados e regar as mudas jovens com uma solução de "Fitosporin". Nos estágios iniciais da doença, recomenda-se a retirada de plantas infectadas, sãs - tratá-las com fungicidas combinados, por exemplo, "Ridomil", e em caso de murchamento de fusarium, usar "Quadris". doença é a bactéria Erwinia, é mais eficaz usar "Kazumin".


Perguntas frequentes

No processo de cultivo de peras, os jardineiros enfrentam vários problemas.

A pêra não floresce e não dá frutos: causas e métodos de luta

Se a pêra não florescer e, como resultado, não dar frutos, pode haver vários motivos:

  • Uma variedade não zoneada foi selecionada para o plantio. Nesse caso, a frutificação pode demorar vários anos e, no pior dos casos, pode nem ocorrer.
  • Foi adquirido material de plantio de baixa qualidade. Em ambos os casos, é possível recomendar a compra de mudas apenas em viveiros especializados e escolher variedades que sejam zoneadas para a região de cultivo.
  • As condições básicas para a escolha de um local de pouso não foram atendidas:
    • A planta é plantada na sombra.
    • Inundação pela água do solo, como resultado do qual as raízes e o fuste são minados.
    • Os ventos frios do norte destroem os botões das flores antes mesmo do período de floração.
  • Mau cuidado com as plantas - falta de umidade e nutrição.
  • Danos aos botões de flores por pragas - besouro da flor da pera, melada da pera.

Em todos os casos, é possível recomendar mais de perto seguir as regras básicas de plantio e cuidados com uma pera, para realizar trabalhos de prevenção de pragas e doenças.

Por que as peras apodrecem em uma árvore

Peras podres em uma árvore são causadas por doenças fúngicas - moniliose, sarna, bacteriose. E também, como resultado, frutas afetadas pela podridão da traça da pera.

Ramos de pera secam: causas e métodos de luta

Não é muito fácil identificar a causa desse fenômeno. Para fazer isso, você precisa considerar as opções possíveis e encontrar a resposta usando o método de eliminação.

  • Pré-aquecimento de raízes e tronco devido à ocorrência próxima de águas subterrâneas.
  • Rega insuficiente.
  • Congelamento devido ao retorno do gelo.
  • Queimadura bacteriana.
  • Infestação de pragas: besouro da flor da pera, pulgão, melada.
  • Moniliose.
  • Danos na raiz por toupeiras, ursos, besouros.

Os métodos para lidar com o problema dependerão de sua causa.

Por que uma pêra dá frutos pequenos e duros?

Este fenômeno pode ser um sinal de doenças: sarna, câncer negro, bacteriose. E também, com grande probabilidade, é possível diagnosticar uma lesão com seiva de pêra.

O que fazer com ramos de pêra congelados na primavera

A poda higiênica de peras na primavera é a resposta a essa pergunta. Todos os galhos congelados, secos, doentes e danificados são cortados no solo usando o método do "anel". Em seguida, o local de corte é limpo com uma faca afiada e coberto com uma camada de verniz de jardim.

Galhos congelados na primavera são cortados "no anel"

Crescimentos em folhas de pera

Quaisquer crescimentos nas folhas, como regra, são um repositório de esporos de fungos. É mais provável que seja a ferrugem da pêra descrita acima.

A casca da pêra está rachando

Na maioria das vezes, aparecem rachaduras na casca no inverno como resultado de ulcerações pelo frio. Isso pode acontecer nos casos em que não haja caiação do tronco e galhos grossos. Em um dia de sol gelado, a diferença de temperatura entre a crosta nos lados sombreados e ensolarados do tronco atinge valores significativos. Como resultado, aparecem rachaduras na fronteira dessas zonas.

Outra possível razão é a calagem de baixa qualidade das árvores. Acontece que é parcialmente levado pelas chuvas e listras permanecem no tronco. As listras brancas refletem os raios do sol e a casca permanece fria. Ao mesmo tempo, as listras escuras com a cal desbotada ficam muito quentes. Rachaduras ocorrem como resultado da diferença de temperatura resultante.

Para evitar esse desastre no outono, é imperativo caiar as árvores e, ao mesmo tempo, usar apenas materiais de alta qualidade. A cola PVA pode ser adicionada à lavagem com cal, o que impedirá a lavagem.

Se aparecerem rachaduras, elas são cortadas em madeira sã, tratadas com uma solução de sulfato de cobre a 3% e cobertas com uma camada de verniz de jardim.

A pêra não pode ser chamada de cultura caprichosa, mas sofre de doenças e insetos nocivos com mais freqüência do que outras frutas. O cumprimento de medidas sanitárias e preventivas simples e trabalhosas ajudará o jardineiro a lidar com possíveis problemas.


Podridão de frutas ou moniliose

O agente causador da doença é o fungo Moniliafructigena, que afeta a fruta. Manchas marrons aparecem neles e, com o tempo, crescimentos acinzentados se formam nesses locais. Esses são esporos de fungos que são transportados pelo vento e infectam os frutos de outras culturas hortícolas.

Frutos infectados têm polpa podre. Como resultado, as peras se esfarelam ou secam nos galhos. A moniliose se espalha muito rapidamente na segunda metade do verão, durante o amadurecimento dos frutos e em climas quentes e úmidos.

Medidas de controle e prevenção

Todos os frutos doentes são imediatamente colhidos e destruídos. Na primavera e no outono, para prevenir as árvores, são borrifados com 1% de caldo bordalês, também é útil caminhar sobre as folhas com leite de cal (1 kg de cal por 10 litros de água).


Dicas úteis

Muitas preparações diferentes são oferecidas para proteger as peras ou outras plantas de pragas e doenças. Ao mesmo tempo, muitas drogas usadas no século 20 eram tão perigosas para a natureza, bem como para os humanos (por exemplo, apresentavam propriedades mutagênicas e cancerígenas) que foram proibidas de usar.

Isso inclui DDT, Nitrafen, DNOC. Clorofos, Metaphos, Verdes parisienses, Kilzjar e alguns outros. Nos últimos anos, um catálogo oficial de pesticidas e agroquímicos aprovados foi publicado na Rússia e, possivelmente, em outras repúblicas da ex-URSS.

Portanto, ao ler artigos sobre proteção de plantas, especialmente de autores desconhecidos, certifique-se de que os medicamentos propostos sejam aprovados para uso em seu país. Para fazer isso, você mesmo precisa fazer o download do catálogo ou consultar o departamento de proteção de plantas da filial local do Centro Agrícola Russo.

Esperamos que o número de pragas em seu jardim diminua significativamente depois que você aprender a lidar com as peras e manuseá-las na primavera ou em outras estações.


Assista o vídeo: COMO ESPANTAR PRAGAS DO COQUEIRO DE FORMA NATURAL